Banda de Congo da Pestalozzi da Serra

Projeto conduzido pelo renomado Mestre Bento da região de Nova almeida na Serra.
Nele os alunos de todas as idades tem atividades semanais com intuito não só de desenvolver suas percepções musicais e motoras mas também conservar e disseminar a cultura e o rico folclore regional.
Congo é um dos muitos conjuntos de danças, músicas e manifestação folclóricas trazida pelos escravos ao Brasil no Período Colonial. É particularmente caracterizada pelo uso de tambores em variados tamanhos, trajes e coreografias típicas e cânticos que invocam os Deuses. Atualmente é uma manifestação folclórico e religiosa, onde se prestam homenagens a São Benedito e a Nossa Senhora da Penha, em festas que acontecem ao longo dos meses de dezembro e janeiro. São comuns no Espírito Santo as festas dedicadas a São Benedito, onde se derruba uma árvore alta, corta-se os galhos deixando só o tronco, que será o \"mastro de São Benedito\", que é levado pelas ruas e fixado em um pátio da festa, onde se coloca um estandarte com a figura do santo.

Um ensaio ou peça do Congo é chamado de Puxada. Recentemente a batida do Congo foi levada ao cenário da música pop com os conjuntos Casaca e Manimal. As maiores demonstrações do Congo se dão nas festas de São Sebastião e São Benedito nas cidades da Serra, de Fundão e na Barra do Jucu, município de Vila Velha, no Espírito Santo.

Atualmente a manifestação mais ativa do Congo pode ser observada na Região Metropolitana da Grande Vitória mas há também grupos no sul e interior da Bahia.

E também na Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis, Goiás.